Tags

, , ,

PIB per capita segue aquém de 2013

Setores têm desempenhos distintos

Variação de estoques teve impacto

Câmbio alavancou o setor externo

PIB per capita segue aquém de 2013

HELDER LARA FERREIRA FILHO e JOSÉ LUIS OREIRO
04.jun.2021 (sexta-feira) – 5h50

Adivulgação do PIB trimestral pelo IBGE trouxe boas notícias, com crescimento superior ao esperado pelas expectativas de mercado. De fato, houve um aumento contra o trimestre imediatamente anterior de 1,2%, acima dos 0,7% estimados pelos analistas de mercado.

Sendo assim, caso os próximos trimestres apresentem crescimento de 0%, também relativamente ao trimestre imediatamente anterior, o PIB apresentará crescimento de quase 5% em 2021. Caso haja qualquer crescimento em cada trimestre, o PIB pode apresentar um desempenho ainda melhor –por exemplo, caso cresça 0,5% a cada trimestre, o crescimento do PIB de 2021 poderia chegar a 6,8%.

Entretanto, nenhuma dessas situações está dada, principalmente pela incerteza quanto ao ritmo de vacinação que permitiria um funcionamento mais próximo da normalidade na atividade econômica, mas também por conta dos riscos da necessidade de um racionamento energético.

Ainda, a recuperação, embora positiva, apresenta algumas disparidades entre setores, além de não se mostrar tão robusta numa perspectiva mais ampla. O PIB no 1º trimestre de 2013, por exemplo, ainda é superior ao PIB observado no 1º trimestre de 2021, refletindo a lentidão da reação frente à recessão de 2014 e 2016.

Isto deixa evidente que, enquanto o PIB está em patamar estagnado há 8 anos, o PIB per capita ainda está aquém do observado no 1º trimestre de 2013, considerando-se o aumento da população da ordem de 0,8% ao ano. Com isso, o PIB per capita do 1º trimestre está 5,5 pontos abaixo do observado no 1º trimestre de 2013.

Também é possível verificar que, embora o PIB tenha alcançado patamar similar ao nível anterior à pandemia, ainda permanece distante da tendência anterior ao ano de pandemia (do 4º trimestre de 2016 ao 4º trimestre de 2019).

Como pode-se constatar, o PIB do 1º trimestre de 2021 ainda permanece 2,3 pontos percentuais abaixo do nível que seria alcançado seguindo o ritmo anterior à pandemia –que já não era nada espetacular, como já salientado pela recuperação lenta à crise de 2014-2016. Também é possível observar discrepâncias por setor na dinâmica do produto.

Vê-se no gráfico acima que a Agropecuária foi o setor de maior crescimento no período; inclusive, foi o que mais contribuiu para o resultado observado no 1º trimestre de 2021, mas que não cria tantos empregos quanto os outros setores. Enquanto isso, a Indústria e os Serviços ficaram com dinâmica mais negativa.

Sobre a indústria, 2 setores foram especialmente prejudicados no período analisado: a Indústria de Transformação, setor relevante por seus encadeamentos para frente e para trás, suas inovações que se espalham pelo restante da economia, e pela qualidade dos empregos; e a Construção, importante para os empregos.

Ainda é importante dizer que, pela ótica da demanda, o crescimento foi pautado bastante pelo investimento e pelo setor externo, sendo que o consumo das famílias e do governo recuaram no 1º trimestre de 2021 frente ao último de 2020. O investimento foi impactado por uma variação de estoques pouco comum, por conta de desbalanceamentos deles por conta de desorganização nas cadeias produtivas globais causadas pela pandemia, e por investimentos feitos pela Petrobras que foram contabilizados também no período. Segundo o economista Bráulio Borges, resultado no trimestre seria uma retração de 1,6%, e não um crescimento de 1,2%. Essa compensação não deve se repetir nos próximos trimestres.

Ademais, o setor externo, apesar de continuar sendo beneficiado pela maior demanda por parte dos outros países que estão crescendo em ritmo acelerado, não deve contar com o auxílio de um câmbio mais competitivo, o qual recuou de perto de R$ 5,80 por dólar, para R$ 5,10 mais recentemente.

Por fim, com o recrudescimento da pandemia no 2º trimestre de 2021, espera-se algum recuo no nível de atividade no período, não obstante o retorno do auxílio emergencial que deve incrementar o consumo das famílias. O restante do ano continuará dependendo do avanço da vacinação e da questão do racionamento se efetivar ou não.

Autores

Helder Lara Ferreira Filho

Helder Lara Ferreira Filho

Helder Lara Ferreira Filho, 31, é auditor de finanças e controle da Controladoria Geral da União, mestre em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e doutorando em economia pela Universidade de Brasília (UnB).enviar e-mail para Helder Lara Ferreira Filho

José Luis Oreiro

José Luis Oreiro

José Luis Oreiro, 49, é Professor do Departamento de Economia da Universidade de Brasília, Pesquisador Nível IB do CNPq e Lider do Grupo de Pesquisa “Macroeconomia Estruturalista do Desenvolvimento”, cadastrado no CNPq. É autor do livro “Macroeconomia do Desenvolvimento: uma perspectiva Keynesiana”, LTC: Rio de Janeiro (2016).enviar e-mail para José Luis Oreiro

nota do editor: os textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais iconográficos publicados no espaço “opinião” não refletem necessariamente o pensamento do Poder360, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

Leia mais sobre