Tags

,

Rumores da saída de Waldery Rodrigues e Carlos da Costa foram grandes, mas governo negou a demissão deles

Rosana Hessel Renato Souza

(foto: Evaristo Sa/AFP – 3/4/20 )

A debandada no Ministério da Economia parece não ter acabado, em meio à expectativa, nesta quarta-feira (12/8), de que o ministro Paulo Guedes pode ter novas baixas na pasta. O mercado ficou apreensivo sobre os rumos da política econômica diante do visível enfraquecimento do “Posto Ipiranga” do presidente Jair Bolsonaro. Até mesmo a saída do ministro foi cogitada, se o chefe do Executivo não defender o teto de gastos, o que ele fez publicamente, na quarta, em postagem nas redes e em pronunciamento à noite.

Os secretários especiais Waldery Rodrigues (Fazenda) e Carlos da Costa (Produtividade, Emprego e Competitividade) poderiam ser os próximos a deixar o governo, pois eles chegaram a falar sobre a intenção de pedir demissão a alguns interlocutores, após desgastes recentes. Os rumores da saída de ambos foram grandes na quarta, após Guedes, na véspera, confirmar a “debandada” na equipe durante o anúncio dos pedidos de demissão de Salim Mattar, secretário especial Desburocratização e Privatização, e de Paulo Uebel, secretário especial de Desestatização e Privatização. Em nota no fim da tarde de ontem, o Ministério da Economia negou a saída de Waldery e de Carlos Da Costa.

Desde junho, houve outras quatro baixas importantes na equipe econômica: Marcos Troyjo, Mansueto Almeida (Tesouro Nacional), Caio Megale (diretor de Programas) e Rubens Novaes, que anunciou sua saída da presidência do Banco do Brasil para o fim deste mês. No ano passado, os desfalques foram o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), Joaquim Levy.

Para analistas, a desidratação de Guedes é evidente devido à falta de resultados das promessas feitas em campanha. E, para piorar, o presidente não é um adepto da cartilha liberal do ministro. “O estilo de governo que Bolsonaro quer fazer é o da direita da Polônia e da Hungria, que não é compatível com o liberalismo. Só que Guedes foi muito importante para a eleição de Bolsonaro, pois garantiu apoio do mercado financeiro. Se ele rifar o ministro, aí não tem reeleição”, disse José Luis Oreiro, professor de Economia da UnB.

Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, não vê a saída de Guedes “por enquanto”, mas ele não a descarta se os riscos fiscais ficarem incontornáveis. “A pressão por aumento do gasto público será grande nos próximos anos, especialmente, da nova base de apoio do governo: o Centrão. Bolsonaro nunca foi liberal. Era normal que esse problema fosse aparecer, em algum momento, e Guedes está perdendo força”, lamentou.

Pedido de afastamento
O PDT entrou com uma ação de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) no Supremo Tribunal Federal para que Paulo Guedes seja afastado do cargo sob a acusação de fraudes em fundos de pensão. As ilegalidades teriam ocorrido por meio de uma gestora da qual ele é sócio. O relator do caso ainda não foi sorteado na Corte. Procurada, a assessoria do Ministério da Economia não comentou o assunto. Já a defesa do ministro refutou as acusações. “É extremamente leviano e irresponsável um partido político se utilizar de tais aleivosias para pedir o afastamento de um ministro de Estado”, informou, em nota.