Tags

,

Um dos mitos que os economistas liberais divulgam em proza e verso aos quatro cantos do país é que o ajuste fiscal, com corte de gastos públicos, levaria a um aumento da confiança do setor privado e, dessa forma, a um aumento do investimento privado.

A figura 1 abaixo mostra o comportamento do investimento líquido do governo geral (investimento bruto menos a depreciação do estoque de capital) como proporção do PIB desde 2010. Observem que entre 2014 e 2015 a uma redução de 0.78% do PIB do investimento líquido do governo geral, justamente no momento em que a economia brasileira entra numa das piores recessões de sua história. A literatura brasileira sobre multiplicadores fiscais (Pires, 2017) mostra que o efeito multiplicador dos investimentos públicos é da ordem de 1.7 o que significa que apenas a contração do investimento público foi responsável por uma queda de aproximadamente 1,3% do PIB no ano de 2015, ou seja, quase 1/3 da queda do nível de atividade registrado naquele ano. Entre 2015 e 2017 o investimento líquido do governo geral apresentou uma queda de 0,68% do PIB, contribuindo assim de forma decisiva para a lenta recuperação da economia brasileira após o término oficial da grande recessão em 2016.

Agora em 2019 o todo poderoso Czar da economia Paulo Guedes quer repetir a fórmula adotada no passado, contingenciando mais de R$ 30 bilhões de gastos de investimento. O resultado será uma desaceleração ainda maior do crescimento da economia brasileira, com queda de arrecadação e manutenção do desequilíbrio das contas públicas. Receita certa para que o Brasil caia outra vez em recessão.

Referências:

Pires, M. (2017). Política Fiscal e Ciclos Econômicos: teoria e experiência recente. Elsevier: Rio de Janeiro

Figura 1