Tags

, , ,

Pre­si­den­te não qu­er ônus po­lí­ti­co de me­xer na Pre­vi­dên­cia’

O atri­to en­tre o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jair Bol­so­na­ro, e o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia, que aba­lou a ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca pe­la mu­dan­ça na Pre­vi­dên­cia, deve em­per­rar o avan­ço da pro­pos­ta fei­ta pe­lo mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des, ava­lia o eco­no­mis­ta da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UnB) Jo­sé Luis Orei­ro. A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta:

A saí­da do pre­si­den­te da Câ­ma­ra da ar­ti­cu­la­ção pe­la re­for­ma po­de en­fra­que­cer a pro­pos­ta?

A re­for­ma, co­mo ha­via si­do pen­sa­da pe­lo mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, ‘su­biu no te­lha­do’. O go­ver­no já co­me­çou er­ra­do, co­lo­can­do a ques­tão de apro­var um BPC (Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da) me­nor que um sa­lá­rio mí­ni­mo. De­pois, veio a re­for­ma dos mi­li­ta­res, que dei­xou cla­ro o fa­vo­re­ci­men­to. Ago­ra, com o atri­to en­tre Bol­so­na­ro e Maia, não tem mais cli­ma.

Es­sas ques­tões não se­ri­am ne­go­ci­a­das na­tu­ral­men­te?

Sim. O pro­ble­ma é que a mu­dan­ça do BPC e a ques­tão dos mi­li­ta­res des­truí­ram o con­sen­so. Foi uma com­ple­ta ina­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, do mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des e do pre­si­den­te. Além dis­so, o pró­prio pre­si­den­te de­mons­trou pou­ca von­ta­de de fa­zer a re­for­ma. Ele sa­be que é pre­ci­so fa­zer uma re­for­ma, mas não qu­er o ônus po­lí­ti­co.

O que po­de acon­te­cer com o País, ca­so a re­for­ma não pas­se?

Eu acho que vai ter uma tur­bu­lên­cia. Os mer­ca­dos es­ta­vam ilu­di­dos com a ca­pa­ci­da­de de ar­ti­cu­la­ção do go­ver­no e o Bol­so­na­ro não deve vol­tar atrás. Is­so deve apro­fun­dar a cri­se de go­ver­na­bi­li­da­de, que o pró­prio go­ver­no pa­re­ce ter ins­ta­la­do. Bol­so­na­ro po­de re­pe­tir os úl­ti­mos me­ses do go­ver­no da ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff.

A não apro­va­ção pre­ju­di­ca­ria a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia?

Não me­xer na Pre­vi­dên­cia pre­ju­di­ca no lon­go pra­zo. Al­guém vai pre­ci­sar fa­zer. Mas a re­for­ma que é pri­o­ri­tá­ria pa­ra aque­cer a eco­no­mia é a tri­bu­tá­ria, que da­ria com­pe­ti­ti­vi­da­de à in­dús­tria. Só não creio que es­se go­ver­no con­si­ga me­xer nis­so.