Tags

, ,

Por Cyro Andrade, (link:http://www.focoglobal.com/2017/01/oreiro.html)

Às vezes, olhar para o outro lado da rua pode trazer revelações, e soluções para problemas que pareciam insuperáveis. De certo modo, foi o que aconteceu com a Espanha, que conseguiu sair da crise econômica seguindo um caminho adotado pela Alemanha e retomou as rédeas do crescimento. Os números estão aí: em 2014, o PIB cresceu 1,36%, e em 2015 a expansão chegou a 3,2%. Os resultados preliminares para 2016 apontam para uma expansão ainda superior. Os anos de recessão foram deixados para trás. O que aconteceu de essencial? O economista José Luís Oreiro conta essa história em artigo (Espanha adota o modelo alemão e sai da crise) que escreveu para publicação em “Globalidades”.

Diz Oreiro que, para a Espanha sair da crise, era necessário que algum dos componentes da demanda agregada impulsionasse o aumento do nível de atividade. O problema para os países que têm o euro como moeda comum era que a política monetária não estava mais à disposição para impulsionar – por intermédio de uma redução da taxa de juros – a demanda doméstica. A perda de confiança com relação aos títulos soberanos da Espanha também impedia a utilização da política fiscal. A única saída seria, portanto, fazer a desvalorização interna da taxa de câmbio, utilizada de forma bem-sucedida pela Alemanha nos anos pré-crise.

Para que a desvalorização interna ocorresse, explica Oreiro, era necessário que os preços em euros dos bens produzidos na Espanha fossem reduzidos, por meio de um corte dos salários nominais. O governo de Mariano Rajoy – que possuía ampla maioria no Parlamento – conseguiu, então, aprovar uma reforma trabalhista, com redução no pagamento das indenizações para os trabalhadores demitidos e equalização dos custos de demissão entre os trabalhadores de tempo integral e os temporários. Além disso, negociou com as centrais sindicais e os representantes patronais um acordo de moderação salarial, no qual o reajuste foi fixado em 0,5% para 2012 e 0,6% para o biênio 2013-2014.

Como resultado, a competitividade externa da economia espanhola foi restaurada, permitindo que a produção da indústria manufatureira crescesse 2,21% em 2014 e 3,73% em 2015. A participação dos manufaturados na pauta de exportações, que havia recuado de 77,71% no ano 2000 para 67% em 2012, voltou a subir, alcançando 71,97% em 2015. O lado mais visível do ajuste cambial foi o saldo em conta-corrente: de um déficit de 9,67% do PIB em 2007, passou-se a um superávit de 1,38% em 2015.

Ainda há problemas a resolver, concentrados na antiga questão do desemprego, ainda dos mais elevados na Europa. “Como a indústria manufatureira apresenta produtividade muito maior do que o setor de construção civil [de peso relevante nos anos de “boom” pré-crise], a retomada do crescimento da economia a partir de 2014, ao ser liderada pela manufatura, não permitiu uma rápida redução da taxa de desemprego, a qual continua em torno de 22% da força de trabalho. O lado bom desse indicador ruim é que os empregos que estão sendo gerados hoje na economia espanhola, embora não sejam suficientes para absorver o enorme contingente de desempregados, são de qualidade muito superior aos que foram gerados no período do boom imobiliário.”

Em suma, a desvalorização interna da taxa de câmbio – gerada a partir da combinação de reforma trabalhista com um acordo de moderação salarial negociado com os sindicatos e as representações patronais – restaurou a competitividade da indústria de transformação na Espanha, interrompendo o processo de desindustrialização verificado desde o final do século XX, e permitindo a retomada do crescimento por intermédio das exportações de manufaturados.

Seria o caso de o Brasil olhar para o outro lado da rua? Ou melhor, para o outro lado do Atlântico? Estaria ali alguma lição a tomar? Oreiro não diz isso. Cada país vive suas próprias circunstâncias, correntes e históricas, com diferenças naturais, mas a ideia parece circular nas entrelinhas — no mínimo, porque estão ali as questões gêmeas, frequentemente lembradas como pendentes de políticas específicas, de uma possível reindustrialização brasileira pautada por acréscimos de competitividade externa.

Anúncios