Vitória, 15 de Agosto de 2013.

 

Caríssimo amigo e irmão, Luiz Fernando de Paula, prezado amigo e ex-presidente da AKB, Fernando Ferrari Filho, prezado amigo e vice-presidente da AKB, Nelson Marconi, prezados patronos, membros da diretoria da AKB e demais associados, me sinto honrado por ter sido eleito Presidente da Associação Keynesiana Brasileira. Agradeço de todo o coração ao voto de confiança em mim depositado, e farei tudo o que estiver ao meu alcance para o contínuo engrandecimento de nossa associação.

Quero aproveitar esta oportunidade de dirigir a vocês minhas primeiras palavras como Presidente da AKB para tecer algumas considerações sobre os desafios que teremos que enfrentar nos próximos anos. Os próximos anos não serão fáceis, mas tenho total confiança que com o apoio da atual diretoria e dos demais membros de nossa associação iremos supera-los com tranquilidade.

O primeiro desafio a ser enfrentado é de ordem financeira. A mudança de orientação no IPEA aparentemente nos privou de uma importante fonte de financiamento para a realização de nossos encontros. Esse fator somado ao aumento expressivo do número de artigos aprovados no encontro de Vitória (em cerca de 20%) e a instituição do prêmio AKB de teses e dissertações reduziram consideravelmente os recursos próprios de nossa associação, de forma que, para os próximos encontros, fontes alternativas de financiamento deverão ser buscadas. Sugestões sobre esse quesito são mais do que bem vindas.

O segundo desafio é de ordem política. Nos últimos dois anos observamos um ressurgimento da ortodoxia no debate brasileiro sobre política econômica. Não cabe aqui avaliar o porque desse fenômeno, mas o fato é que a Associação Keynesiana Brasileira precisa se posicionar como contra-ponto importante a essas ideias. Nos últimos anos a AKB tem se posicionado no debate nacional fundamentalmente por intermédio da publicação de uma série de “dossies”, alguns deles editados na forma de livros. Essa é uma iniciativa louvável, necessária, mas insuficiente. A AKB, como instituição, precisa ser mais atuante no debate brasileiro, ou seja,   precisamos nos tornar uma referência para o pensamento não-neoclássico e não-liberal no Brasil, mas mantendo a seriedade acadêmica, o caráter apartidário e o bom-senso.  Nesse contexto, o blog da associação keynesiana brasileira, agora sob a direção do Rodrigo Magalhães, do programa de pós-graduação em economia da UFRJ, pode ser um instrumento útil para a divulgação das ideias de nossos associados. Qualquer membro da AKB pode publicar pequenos artigos (2-3 páginas) no blog. Quero exortar os membros da AKB, principalmente os jovens mestrandos e doutorandos, a fazer um bom uso do mesmo.

O terceiro desafio é de ordem acadêmica. Me refiro aqui a decisão já aprovada em assembleia geral de fundar a Revista de nossa associação. Esta será a prioridade do meu mandato. Peço a Assembleia Geral a indicação de uma comissão com três nomes para iniciar o processo de elaboração da revista da AKB. Essa comissão terá o prazo de um ano para apresentar, na próxima assembleia geral, um projeto detalhado para a revista de tal forma que, no encontro de 2015, o primeiro número da revista possa ser lançado.

O quarto e último desafio, mas sem duvida o mais importante de todos, refere-se a formação dos futuros quadros da AKB. Nossa Associação tem como objetivo fundamental de longo-prazo garantir a perpetuação do pensamento keynesiano no Brasil. Para tanto é necessário que aqueles que hoje se encontram numa posição de liderança intelectual na comunidade de economistas keynesianos no Brasil possam transmitir seu “DNA” para as novas gerações. Nesse contexto, a AKB deve ser vista também como um instrumento importante para a formação teórica dos jovens economistas keynesianos. Uma iniciativa nesse sentido tem sido a realização de “mini-cursos” nos encontros anuais da AKB e nos encontros da ANPEC. Outra iniciativa, a qual espero poder realizar em meu mandato, será a publicação de um livro de entrevistas com Pós-Keynesianos brasileiros. Algumas entrevistas já foram realizadas e se encontram no blog da AKB, mais especificamente, as entrevistas com Fernando Cardim de Carvalho, Luiz Carlos Bresser-Pereira e Mario Possas.

Esses são os desafios que nos aguardam. Espero contar com o apoio entusiasta de todos vocês. Mais uma vez obrigado pela confiança em mim depositada e agora ao trabalho!

 

 

Anúncios