Tags

,

01/05/2012 20:03

Após anúncio de estatização de transportadora, investidores internacionais devem evitar a Bolívia

A decisão do governo da Bolívia de nacionalizar a empresa Transportadora de Eletricidade, gerida por um grupo espanhol, vai fazer com que os investidores internacionais evitem o país nos próximos meses.
Mas para o professor de Economia da Universidade de Brasília, José Luis Oreiro, a medida não deve gerar consequências para os outros países da América do Sul.
Nesta terça-feira, o presidente da Bolívia, Evo Morales ordenou a estatização e que as Forças Armadas ocupem a administração da companhia, que também é espanhola, assim como a YPF, expropriada pelo governo da Argentina no mês passado.
Antes da ação, quase 100% do capital da Transportadora de Eletricidade pertencia ao Grupo Rede Elétrica, da Espanha.
José Luis Oreiro diz que os bolivianos vão sentir o impacto da decisão de Evo Morales nos próximos meses, com uma piora da economia do país.
Clique aqui para ouvir
O ex-embaixador nos Estados Unidos e diretor da Faculdade de Economia da FAAP acredita que a decisão tomada na Bolívia foi para aumentar a popularidade do presidente.
Rubens Ricupero acredita que as medidas adotadas pela Argentina e pela Bolívia, de nacionalizar empresas, pode incentivar outros países da América do Sul a fazerem o mesmo.
Clique aqui para ouvir
Para os especialistas, a decisão do governo boliviano não deve ter um impacto muito grande na economia espanhola, que passa por uma grave crise.