Excelente o artigo do Prof. Delfim netto no Valor de hoje. Ele chama atenção para o fato de que os “falcões da inflação” estarem recomendando a obtenção do centro meta de inflação em 2011 (e, portanto, um aumento mais forte e rápido da taxa de juros)  com base numa teoria econômica – o chamado “novo consenso macroeconômico – que foi largamente desacreditado  pela crise econômica mundial de 2008. Nesse contexto, a suposta “falta de pulso” do atual presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, é muito mais o resultado da incerteza sobre a utilidade dos modelos DSGE com rigidez nominal usados para balizar o regime de metas de inflação do que falta de disposição para domar o dragão da inflação. Como eu já havia dito em outros lugares, fazer a inflação convergir para o centro da meta em 2011, dada a inércia inflacionária ainda existente no país e o choque de oferta representado pela alta das commodities nos mercados internacionais exigiria uma redução drástica da taxa de crescimento do PIB, algo que é politicamente inaceitável para um governo de esquerda como o da Presidenta Dilma Rouseff. Uma estratégia gradualista, que preserve um ritmo moderado de crescimento (em torno de 4% a.a.) e que garanta a convergência da inflação para o centro da meta no final de 2012 é a política mais sensata a ser adotada.  Provavelmente essa política não irá agradar a alguns economistas do mercado financeiro. Azar o deles. O mundo mudou depois da falência do Lehman Brothers … a “tirania dos mercados”, para usar a expressão consagrada por Paul Davidson, parece estar condenada ao desaparecimento.

Segue abaixo o artigo do Prof. Delfim.

—————————

Cautela e cuidado com a inflação

Antonio Delfim Netto

22/03/2011

Oproblema da inflação no Brasil está sendo tratado pelas novas políticas fiscal, monetária e cambial com o cuidado que merece. Na política fiscal não foi feito nenhum “choque dramático” (porque não era preciso), como exigem alguns fundamentalistas. É certo, entretanto, que as despesas correntes e as transferências da União crescerão menos em termos reais do que o crescimento provável do PIB.

A crítica fundamental a essa política é, curiosamente, “ad hominem”: o ministro Mantega foi um gastador (diante de uma deficiência de demanda global); como pode ser um parcimonioso (diante de um excesso de demanda)? Como diria um velho conhecido, “quando a situação muda, eu mudo. E você?”

Na política monetária, a mudança de atitude do presidente Tombini, recuperando velhíssimos instrumentos (agora elegantemente chamados de “macroprudenciais”), tem sido objeto de desconfiança de muitos analistas do mercado financeiro. Apoiam-se numa pretensiosa “teoria monetária”, cujos melhores autores em 2008 ainda não mencionavam, em seus “científicos” trabalhos e livros, sequer a palavra “crédito”! Prisioneiros de uma miopia produzida por um modelito de três equações perderam toda a imaginação.

Na política fiscal, não foi feito nenhum “choque dramático”

Provavelmente, a manobra exclusiva com a taxa de juros cause menores “distorções” (medidas com relação a um modelo de validade duvidosa), mas também, provavelmente, compensadas no mundo real por um custo maior em termos de sacrifício de PIB. De qualquer forma, ainda que a econometria seja imaginosa, mas precária, existem claros indícios (até recentemente negados) que medidas macroprudenciais podem ser moderadas substitutas do falaciosamente simples aumento da taxa de juros. Aqui também, a crítica é “ad hominem”: Tombini é um bom e respeitável técnico… mas é um “pombo”! A hora e o lugar exigiriam um “falcão” (um dos “idiots savants”), que acredita que há leis naturais que regem os mercados, particularmente o cambial.

O mais fantástico é a desconexão entre essas críticas e o que está acontecendo no mundo, particularmente com a revisão do conhecimento econômico. Ele se processa hoje sob o estímulo de quem já foi o maior defensor da equivocada ideologia que produziu o “pensamento único” apoiado numa suposta ciência monetária: o Fundo Monetário Internacional! Foi esse mesmo “pensamento único” que interditou a saudável crítica produzida por diferentes “visões do mundo econômico”, que estimulou o controle da economia real pelo sistema financeiro e produziu a crise de 2007/09. No fim, consumiu-se na desmoralização…

Trata-se de uma tragédia. A descrença colocou dúvida sobre todo o conhecimento econômico – talvez seja melhor chamar de “economia política” – que foi e é de extrema importância para a boa governança do setor público e do setor privado. Essa visão niilista é a contrapartida do fundamentalismo: como a teoria econômica “fracassou”, tudo é permitido nas políticas fiscal, monetária e cambial. Já sabemos como isso termina. O Brasil já foi vítima de múltiplas experiências desse tipo que tiveram alto custo econômico e social.

Temos hoje uma aceleração da taxa de inflação (e uma deterioração de suas expectativas), que deve merecer toda a atenção do governo. É óbvio que estamos diante de um fenômeno bastante complexo e que não pode ser resolvido satisfatoriamente com a receita suicida de cortar as despesas públicas (a demanda do governo) e aumentar a taxa de juros real para cortar a demanda privada, de forma a reduzir o crescimento do PIB a 3%, a taxa de inflação a 4,5% no fim de 2011 e deixar que a taxa de câmbio atinja o seu valor “natural” determinado pelo mercado.

A taxa de inflação é uma espécie de “radiador” que dissipa o calor das energias perdidas na ineficiência dos setores público e privado. Ela tem duas componentes: uma interna e outra externa. A interna parece ser menos resultado do excesso da demanda global do que da profunda mudança na sua qualidade (serviços não transacionáveis), resultado da própria política redistributiva do governo e do aumento real do salário mínimo.

A rigor, quando corretamente medido, o PIB cresceu em média (4 º trimestre 2010/4º trimestre 2006) 4,3% ao ano e, se não levarmos em conta a depreciação, tivemos formação bruta anual de capital de 8,9%. As fortes taxas de crescimento acumulado em 2010, contra os mesmos trimestres de 2009, são meros artefatos estatísticos, que medem uma recuperação abaixo da capacidade de produção, como se vê no gráfico. O crescimento médio em 2010 foi de 5%, e a formação bruta de capital, sem levar em conta a depreciação, 12%.

A componente externa é muito forte. Trata-se da elevação dos preços internacionais de nossas exportações primárias, que não podem mais ser corrigidos pela “evolução natural” da taxa de câmbio, sem pôr em risco a grande sofisticação do nosso setor industrial, quando comparado com o dos países como nosso mesmo nível de renda per capita.

São esses fatos que justificam a cautela do BC e os cuidados do Ministério da Fazenda.

Antonio Delfim Netto é professor emérito da FEA-USP, ex-ministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento. Escreve às terças-feiras

E-mail contatodelfimnetto@terra.com.br

Anúncios