Nem só de juros vive a política monetária

Copom revela que medidas alternativas podem ajudar a conter a inflação Publicado em 17/12/2010 | Carlos Guimarães Filho

No próximo ano, o governo poderá adotar formas alternativas de política monetária para conter o aumento da inflação. Esse é o entendimento da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada ontem. De acordo com o documento, algumas medidas implantadas recentemente pelo Banco Central (BC) podem brecar o constante aumento da taxa básica de juros (Selic), hoje em 10,75% ao ano. Um primeiro movimento já foi realizado, com a retirada de parte dos estímulos fiscais ao consumo, medidas utilizadas durante a crise financeira mundial. No mês passado, o BC aumentou o valor compulsório (dinheiro que os bancos devem manter em depósito, sem poder movimentar), restringindo o crédito e tirando R$ 61 bilhões da economia. A mudança de regras também teve impacto no financiamento ao consumo com prazo superior a 24 meses.

 Para os especialistas, a última ata do Copom é uma clara sinalização de que a política monetária de Dilma Rousseff seguirá nessa linha menos “ortodoxa”. Ou seja, a forma de conduzir a economia brasileira pode sofrer reformas importantes. “O documento é a sinalização de que o BC entende que a taxa Selic não é o único instrumento de política monetária. Outros instrumentos podem ser implantados para controle da demanda e, consequentemente, da inflação”, aponta o professor do Depar­tamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB) José Luís Oreiro.

Segundo o economista e professor do Estação Business School Jedson de Oliveira, o aumento do compulsório também poderia ser estendido para os bens de menor valor, como os eletrodomésticos. “Se existir limite no número de parcelas, o que aumenta o valor das prestações, isso acaba inibindo o consumo. E vai sair do orçamento das pessoas. Uma medida como essa acabaria afetando outros setores também, principalmente fornecedores”, explica. Ainda de acordo com Oli­veira, as medidas só não foram colocadas em prática antes por se tratar de ano de eleição. “Durante o ano eleitoral não tem como fazer. É o que os especialistas chamam de ciclo político da economia, quando o governo reduz os gastos nos primeiros anos para gastar bastante nos últimos”, alerta. Embora reconheça que outras ações de política macroeconômica podem influenciar a trajetória dos preços, o documento reafirma a visão de que cabe especificamente à política monetária “manter-se especialmente vigilante” para segurar a inflação.

Para Simão Davi Siler, economista e professor da Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo (USP), o governo não terá outra opção a não ser controlar a alta dos preços com os juros. “Acho que não vai ter outra saída de controle da inflação que não mexer na taxa de juros. Caso não ocorram medidas mais duras, a inflação, que está chegando a 6% ao ano, vai continuar subindo.” Blindagem Na avaliação dos economistas, independentemente das medidas que forem adotadas futuramente, o setor de imóveis, considerado a “menina dos olhos” do governo, não deverá ser afetado. Recen­temente, o BC anunciou a prorrogação das alíquotas reduzidas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para materiais de construção, mesmo com o setor da construção civil atravessando um dos melhores momentos da história. O benefício será prorrogado pela segunda vez e valerá até o fim de 2011. “Tomar alguma medida que possa prejudicar o setor seria tiro no pé. Com certeza, as medidas só serão para outras áreas e o setor de imóveis não vai sofrer impacto”, afirma Oliveira. Gastos públicos Os economistas são unânimes em afirmar que a política fiscal precisa sofrer mudanças para equilibrar a balança. “O gasto público primário não pode continuar tão alto”, aponta Silber. Nos últimos anos, a arrecadação aumentou cerca de 15%, diante do crescimento de 17% dos gastos. “O ideal seria que o gasto do governo não ultrapassasse 8%”, conclui Oliveira.

Anúncios