Durante a convenção do PPs realizada no Rio de Janeiro no período de 07 a 09 de agosto, o governador José Serra alertou para os perigos do Brasil se tornar novamente um país primário-exportador:

“A economia brasileira caminha a passos largos para o modelo primário-exportador. Isso não vai nos levar ao desenvolvimento, nos possibilitar criar 9 milhões de empregos. O Brasil não pode renunciar a ser um país industrial”, advertiu. Chamou o PAC de “lista de obras”, executadas por estados e municípios. “No ano passado o governo só executou 22% previsto e 78% desse total foram feitos por estados e municípios, que não têm dinheiro”. Sobre o PPS, disse que é um partido politizado. “Por incrível que pareça, no Brasil, está cheio de partidos despolitizados”, afirmou.

Maiores detalhes no link: http://74.125.47.132/search?q=cache:7pgAKYX0_jsJ:portal.pps.org.br/portal/showData/155765+serra%2Bprim%C3%A1rio-exportador&cd=5&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br

O que eu não consigo entender é a resistência de alguns setores da Indústria brasileira ao nome de Serra para a Presidência da República. Entre todos os pré-candidatos a Presidência, Serra é de longe o nome mais alinhado com os interesses da indústria brasileira. Talvez nossos industriais não queiram condições ambientais favoráveis para competir a nivel internacional (juros baixos, câmbio competitivo e infra-estrutura adequada); mas apenas queiram ter benesses do governo, algo que, pelo visto, acham que não vão ter com Serra Presidente.

Anúncios