Na reunião a ser realizada no próximo dia 22 de julho, o Copom deverá reduzir a taxa básica de juros em 0,5 p.p, levando a Selic ao patamar de 8,75% a.a Essa redução, contudo, não interrompe o ciclo de queda da Selic. Segundo as previsões obtidas a partir do modelo VAR desenvolvido por D´Agostini e Oreiro (2007), a taxa Selic deverá recuar para 8,15% a.a na reunião de setembro do Copom, ou seja, a autoridade monetária deverá produzir uma nova redução de 0,5 p.p na taxa básica de juros.

 

Previsões

 

SELIC

Intervalo de Confiança

Jul/09

8,72%

8,54%<juros<8,90%

Ago/09

8,32%

8,10%<juros<8,54%

Set/09

8,14%

7,82%<juros<8,46%

               

CÂMBIO (R$/USD)

Intervalo de Confiança

Jul/09

1,92

1,82<câmbio<2,02

Ago/09

1,85

1,73<câmbio<1,97

Set/09

1,77

1,62<câmbio<1,92

 

A continuidade do ciclo de redução da taxa básica de juros nos próximos meses se justifica com base no comportamento esperado do câmbio e do nível de atividade econômica para os próximos meses. Com efeito, o modelo VAR prevê que a taxa de câmbio deverá recuar para R$ 1,85 em agosto e R$ 1,77 em setembro, fechando o ano de 2009 em torno de R$ 1,71. Considerando o patamar atual de R$1,97 para a taxa nominal de câmbio, o modelo VAR prevê uma apreciação da taxa nominal de câmbio de aproximadamente 10% até a próxima reunião do Copom em setembro do corrente ano. No que se refere ao comportamento do PIB, o modelo VAR prevê uma contração de 1,09% do produto para o ano de 2009, apontando, portanto, para um possível excesso de otimismo por parte das “previsões de mercado” expressas no boletim Focus. Deve-se ressaltar, contudo, que essa previsão de queda do PIB já embute uma melhora significativa no cenário prospectivo do nível de atividade com respeito à previsão feita no início de junho, quando o modelo previa uma contração de 1,29% do PIB para 2009. É digno de nota, também, que a inspeção do intervalo de confiança da previsão quanto ao desempenho do PIB não aponta para a possibilidade de ocorrência de um crescimento positivo da economia brasileira em 2009. Com efeito, o limite inferior do intervalo de confiança (Tabela II) sugere uma contração de 0,58% do PIB para o ano em curso. Sendo assim, o modelo ainda não nos fornece elementos para prever um crescimento positivo, ainda que próximo de zero, para a economia brasileira no ano corrente.

 

Previsões para Dezembro de 2009

 

Valores

Intervalo de Confiança

Câmbio

R$/USD 1,71

1,61<câmbio<1,81

IPCA

3,73% a.a

3,49%<inflação<3,97%

SELIC

7,72% a.a

7,23%<juros<8,21%

PIB

-1,09%

-1,60%<produto<-0,58%

Em consonância com o comportamento esperado do PIB e da taxa de câmbio, o modelo prevê que a taxa de inflação deverá ficar significativamente abaixo do centro da meta de inflação em 2009. A previsão é que o IPCA acumule uma alta de 3,73% no ano em curso.  Mesmo quando consideramos o limite superior do intervalo de confiança da inflação, o IPCA fecha o ano de 2009 em 3,97% a.a, bem abaixo, portanto, do centro da meta inflacionária de 4,5% a.a. Nesse contexto, verificamos a ausência de riscos significativos de não cumprimento da meta de inflação para 2009, o que mantêm aberto o espaço para novas quedas da taxa selic. Consoante com esse prognóstico, o modelo VAR prevê que a Selic deverá fechar o ano de 2007 em 7,75% a.a, de tal forma que o Banco Central deverá reduzir a Selic em 1,5 p.p ao longo de 2009 com respeito ao valor prevalecente atualmente (9,25 % a.a.). 

 

José Luis Oreiro

Departamento de Economia da Universidade de Brasília

Luciano D`Agostini

Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico da Universidade Federal do Paraná.

Anúncios